Logo FICLO

Convento do Carmo, Tavira

Thu — 10/09/2020 — 21h

 

Drama – MX, US, DK, FR, SE, NO, DE, CH, 2018, 117 min.  M/14 – V.O. em Inglês e Espanhol – Legendas em Português

Realização e Argumento: Carlos Reygadas · Fotografia: Adrian Durazo, Diego García · Com: Natalia López, Phil Burgers, Carlos Reygadas

nosso_tempo.jpg

 

Esther e Juan são proprietários de uma herdade situada no interior do México, onde se dedicam à criação de touros de lide. Enquanto ela faz a gestão do local, ele, um poeta de renome, cria e seleciona os animais. Apesar da relação aberta que o casal mantém por comum acordo, o seu casamento é ameaçado quando Esther se apaixona por Phil, um treinador de cavalos norte-americano recém-chegado à propriedade.

Uma história dramática com assinatura do aclamado realizador mexicano Carlos Reygadas (“Batalha no Céu”, “Luz silenciosa”, “Post Tenebras Lux”), que também protagoniza, ao lado de Natalia López, sua mulher, e de Phil Burgers. PÚBLICO

 

Festival de Veneza (2018) - Competição Oficial

Festival de Cinema de Havana (2018) - Prémio Melhor Direção, fotografia e FIPRESCI

Fri — 11/09/2020 — 21h

 

Drama – CA, 2019, 105 min. M/14 – V.O. em Inglês – Legendas em Português

Realização e Argumento: Atom Egoyan · Fotografia: Paul Sarossy · Com: David Thewlis, Luke Wilson, Laysla De Oliveira

 

Convidado_Honra_Atom_Egoyan.jpg

 

Estreado no festival de Veneza em 2019, este filme de Atom Egoyan, o realizador/argumentista canadiano nomeado para um Óscar gira à volta de um pai e uma filha que têm um passado bastante complicado. A filha, uma professora de música de liceu, foi falsamente acusada de abuso sexual e foi presa por isso, mas quer continuar encarcerada, contra as tentativas do pai a libertar. Com o britânico David Thewlis e a canadiana Laysla De Oliveira. PÚBLICO

 

Festival de Cinema de Veneza (2019) – Nomeado para Melhor Filme de Atom Egoyan

Festival Internacional de Cinema de Toronto (2019) – Nomeado para Melhor Longa-Metragem Canadense

Sat — 12/09/2020 — 21h

 

Crime, Drama – FR, 2019, 119 min. M/14 – V.O. em Francês – Legendas em Português

Realização: Arnaud Desplechin · Argumento: Mosco Boucault, Arnaud Desplechin, Léa Mysius · Fotografia: Irina Lubtchansky · Com: Roschdy Zem, Léa Seydoux, Sara Forestier

roibaix.jpg

Roschdy Zem conquistou o César de Melhor Actor pelo papel de um comissário de polícia com uma intuição apurada que sabe sempre quando um suspeito está ou não a mentir. É noite de Natal em Roubaix. Há altercações, carros incendiados e um jovem inspector que acaba de chegar e quer impressionar o chefe. Duas jovens mulheres são suspeitas na morte de uma idosa. Mas o caminho para chegar à luz e à verdade é sinuoso. 

 

 

Festival de Cinema de Cannes (2019) – Nomeado Palme d’Or 

Festival de Cinema de Cannes (2019) – Nomeado Queer Palm 

 

Fri — 18/09/2020 — 21h

Drama - FR, DE, 2019,104 min. M/12

Realização: André Téchiné

Argumento: Amer Alwan, Léa Mysius,  André Téchiné

adeus_a_noite.jpg

Depois de anos a viver na Argélia, a francesa Muriel regressou ao seu país para se dedicar à criação de cavalos. Quando Alex, o neto, a vem visitar antes de emigrar para o Canadá, ela não cabe em si de felicidade. Mas, com o passar dos dias, Muriel sente-o diferente. Acaba por descobrir que o rapaz se associou islamitas radicais e que planeia viajar em breve, não para o Canadá, mas para Istambul (Turquia), de modo a juntar-se a um grupo terrorista. Sem saber o que fazer para o impedir, Muriel fica dividida entre entregar o neto à polícia ou deixá-lo seguir o seu fatídico destino.

Com Catherine Deneuve, Kacey Mottet Klein, Oulaya Amamra e Stéphane Bak nos papéis principais, uma história dramática realizada por André Téchiné, também responsável pelos filmes "A Minha Estação Preferida", "Os Juncos Silvestres" e "Os Ladrões", entre muitos outros. PÚBLICO

Sat — 19/09/2020 — 21h

Drama - FR, MA, BE, 2019, 98 min. M/12

Realização e Argumento: Maryam Touzani

adam.jpg

Desde que o marido morreu, que Abla cuida sozinha de Warda, a filha de oito anos. As duas vivem modestamente em Casablanca (Marrocos), onde se dedicam à confecção de pão e bolos que vendem a partir de casa. Um dia, tocam à campainha. É Samia, uma jovem grávida desesperada por encontrar trabalho. Apesar de muito renitente, ao perceber que a rapariga está completamente entregue a si mesma, Abla deixa-a ficar por alguns dias. Aos poucos, a doçura de Samia vai conquistando o afecto de Abla e da pequena Warda, mudando as suas vidas para sempre. 

Estreado no Festival de Cinema de Cannes, um drama sobre a importância da amizade e da generosidade que marca a estreia em longa-metragem da marroquina Maryam Touzani que, para escrever o argumento, se inspirou numa situação real, vivida na sua infância. PÚBLICO

Sun — 20/09/2020 — 21h

Drama - FR, IT, 1963, 138 min. M/12

Realização: Federico Fellini, Ennio Flaiano, Tullio Pinelli, Bruno Rondi

fellini.jpg

Guido Anselmi (Marcello Mastroianni) é um realizador que está a tentar ultrapassar uma crise de inspiração. Durante uma estadia numas termas, todos os seus fantasmas lhe aparecem, como que em sonhos, misturados com as pessoas reais que frequentam o local ou que o vêm visitar: familiares, actores, produtores e até críticos. Como não consegue encontrar soluções para o seu próximo filme, Guido mergulha nas recordações de infância e a sua imaginação divaga. E quando já se prepara para abandonar o projecto, todas as personagens lhe voltam a aparecer. Guido junta-as todas e dá a ordem de filmar. "8 ½" é um dos grandes clássicos de Fellini, e a personagem de Guido é, no fundo, um auto-retrato do próprio realizador à procura de novo ímpeto de criatividade. Realizado por Federico Fellini em 1963, recebeu dois Óscares: Melhor Filme Estrangeiro (Itália) e Melhor Guarda-roupa. PÚBLICO

Fri — 25/09/2020 — 21h

 

COM A PRESENÇA DA REALIZADORA E ANA MARCHAND

 

Documentário – PT, 2020, 64 min. M/14 – V.O. em Francês, Haitiano e Inglês – Legendas em Português

Realização: Catarina Mourão · Argumento: Catarina Mourão, Ana Marchand · Fotografia: Catarina Mourão, Tiago Figueiredo · Com: Ana Marchand, Gaetano Damiano, Maria da Graça Carmona e Costa, Manuel Costa Cabral

ana_e_maurizio_1.jpg

The painter Ana Marchand always felt a bit dislocated in her family. The love of art and travel, where did she get those from? As a young woman she saw a travel book written by her uncle Maurizio Piscicelli and finally understood. Catarina Mourão (Pelas SombrasA Toca do LoboO Mar Enrola na Areia) follows Ana’s familiar and spiritual journey. Who was Maurizio? Who is Ana? The face of one, the face of the other. Reincarnation are the several lives we live.

When she was a little girl, Ana saw a book written by her uncle Maurizio in the living room bookshelf. It was a book that narrated his trip to Congo, with photographs that made people dream. Afterwards, she lost track of the book and of the mysterious presence of that relative with whom she would discover to have a lot in common. Already a grownup, Ana will look for traces of Maurizio’s life, as someone searching for a piece of himself. Mourão will accompany this journey with her cinema, itself also an art of the voyage, many times physical ones, and others interior and emotional ones, triggered by photographs and pieces of memorabilia. Ana e Maurizio is a delicate circuit of gazes, a journey through palimpsest and the superposition between times, generations and images. Catarina observes Ana that, in turn, tries to look at what her uncle saw in his trip to Benares, India. Everything changes and nothing changes, we feel the wind of Rossellini’s cinema, but also the crossover of other Catarina’s journeys (Pelas Sombras; A Toca do Lobo). (Carlos Natálio)

 

Festival Internacional de Cinema IndieLisboa (2020) - Competição Nacional

Sat — 26/09/2020 — 21h

SPOKEN WORD BY ANTÓNIO POPPE

Drama – URSS, 1988, 73 min. M/14 –  English Subtitles/ Spoken word by António Poppe

Realização: Sergei Parajanov, Dodo Abashidze · Argumento: Gia Badridze e Mikhail Lermontov · Fotografia: Albert Yavuryan · Com: Yuri Mgoyan, Sofiko Chiaureli, Ramaz Chkhikvadze

ashik_kerib.jpg

Based on a story by the Russian author Mikhail Lermontov, Ashik Kerib has the texture of an ancient, oft-told bed time story. Kerib, a poor but kind-hearted man is in love with Magul-Megeri, beautiful daughter of a local rich man. The feeling is mutual, but Magul-Megeri’s father would rather she married Kurshudbek, a brutish rich man. Ashik Kerib makes a deal: he’ll wander the world for 7 years hoping to accumulate enough money to afford the wedding. The film uses a frontal approach which avoids depth. Thus, it creates the effect of the iconographic paintings of the Islamic miniatures, presenting the characters as if they were masks. These can be seen in the dedicated Parajanov museum in Yerevan, in the Armenian Republic. Godard said:”In the temple of cinema, there are images, light and reality. Sergei Parajanov was the master of that temple”. The film about the troubadour Kerib is a sensual delight and an encounter with the past. It presents the rites of the Zaherí culture through profane and sacred objects, prodigiously accompanied by the saz or kopuz, a string musical instrument. The second Parajanov film to be accompanied live music in the Cineclube of Tavira.

1988: Prémios do Cinema Europeu: Melhor direcção de arte. 2 Nomeações    

Festival Internacional de Cinema de Istambul (1989) - Prémio Especial de Júri 

Prémios Nika (1990) – Melhor Filme

Sun — 27/09/2020 — 21h

Homenagem a Fellini

Último filme no Convento do Carmo 

Comédia, Drama e Fantasia – IT, FR, 1965, 137 min. M/6 – V.O. em Italiano, Francês, Espanhol e Inglês – Legendas em Português

Realização: Federico Fellini · Argumento: Federico Fellini, Tullio Pinelli, Ennio Flaiano e Brunello Rondi · Fotografia: Gianni Di Venanzo · Com: Giulietta Masina, Sandra Milo, Mario Pisu

giulietta-degli-spiriti-plano-critico-julieta-dos-espiritos.jpg

Oito anos depois de "As Noites de Cabíria", Fellini volta a dirigir a sua mulher, Giulietta Masina, nesta sua primeira longa-metragem a cores. E é precisamente o uso da cor um dos grandes trunfos do filme, que trata das frustrações sexuais de uma mulher de meia-idade da alta burguesia italiana. Texto: Cinemateca Portuguesa

Prémio do Círculo de Críticos de Cinema da Cidade Kansas (1966) - Prémio KCFCC – Melhor Diretor

Prémio São Jorge (1967) – Melhor Filme Estrangeiro