quinta — 24/05/2018
CUSTÓDIA PARTILHADA

Drama– FR, 2017, 99 min. – M/12 – V.O. em Francês – Legendado em Português
Realização e Argumento: Xavier Legrand · Fotografia: Nathalie Durand · Com:  Léa Drucker, Denis Ménochet, Thomas Gioria

Custodia_partilhada.jpg

Depois de uma separação particularmente difícil, Miriam e Antoine estão a finalizar o processo de divórcio. Têm dois filhos em comum: Joséphine, já com 18 anos, e Julien, de apenas 11. De modo a garantir a segurança dos filhos, uma vez que existe historial de violência por parte do ex-marido, Miriam pede custódia total do mais novo, algo de que Antoine discorda totalmente. Apesar dos argumentos dela e de uma carta à juíza em que Julien explica os motivos de não querer ficar aos cuidados do pai, a magistrada intercede a favor de Antoine e opta pela guarda partilhada. Usado como arma de arremesso por ambos os progenitores, o rapaz tentará encontrar um modo de evitar o pior…

Um filme excelente escrito e realizado por Xavier Legrand (que aqui se estreia na longa-metragem mas que, em 2013, foi nomeado para um Óscar pela curta "Avant que de tout perdre"). Os actores Léa Drucker, Denis Ménochet, Thomas Gioria e Mathilde Auneveux integram o elenco (PÚBLICO).


Festival de Veneza - Leão de Prata- Melhor Realizador 

Festival de San Sebastián - Prémio do Público - Melhor Filme Europeu

quinta — 31/05/2018

Documentário, Biografia – BR/AR/PT/GR/FR, 2016, 145 min. – M/12 – V.O.  em Português – Legendado em Inglês
Realização e Argumento: Rita Azevedo Gomes · Fotografia: Acácio de Almeida, Jorge Quintela · Montagem: Rita Azevedo Gomes, Patricia Saramago · Com: Mário Barroso, Luís Miguel Cintra, Tânia Dinis

 

cCorrespondencias.png

Um filme-ensaio onde a realizadora Rita Azevedo Gomes encena a correspondência de 20 anos entre dois amigos: Sophia de Mello Breyner Andresen, poetisa que ficou no Portugal cinzento salazarista onde tudo se percebia nas entrelinhas; e Jorge de Sena, escritor auto-exilado, primeiro no Brasil e depois nos EUA, em busca de uma liberdade que também acabaria por sentir escapar-lhe entre as mãos. Recusando a simples ilustração visual, este filme coloca actores, amigos, artistas e figuras públicas a lerem excertos de cartas ou de poemas de Sophia e Jorge de Sena, intercalados com planos de lugares com evocações das suas vidas. Jorge Mourinha (PÚBLICO)